segunda-feira, 6 de abril de 2020

Governo do Estado de São Paulo cancela permissão para autopeças reabrirem

Deliberação publicada neste sábado (4) foi revogada no mesmo dia, retomando a regra anterior de funcionamento apenas com delivery

 

O Governo do Estado de São Paulo publicou no Diário Oficial a Deliberação Nº 8, neste sábado dia 4 de abril, permitindo o funcionamento de “estabelecimentos comerciais de peças e acessórios para veículos automotores” durante o período de quarentena. Contudo, a decisão não durou muito e horas depois foi cancelada. Afinal, as lojas de autopeças podem ou não funcionar no Estado?

Primeiro vamos entender o que houve. Poucas horas depois da publicação no Diário Oficial, o governador de São Paulo, João Doria, anunciou o cancelamento da decisão em sua conta no Twitter (abaixo). Na sequência, uma atualização no Diário Oficial trazia a Deliberação nº 9, com a revogação da deliberação anterior.

As deliberações em questão citavam, não apenas as autopeças, mas também os escritórios de advocacia e contabilidade.

Em nota, o Palácio dos Bandeirantes defendia que a liberação não se tratava de uma flexibilização nas normas: “O Comitê Extraordinário COVID-19 informa que a manutenção do serviço de autopeças, que é essencial para atender a área de logística, e serviços internos de advocacia, com restrição à aglomeração de pessoas e ao atendimento ao público, já era autorizada pelo decreto da quarentena. Os prédios comerciais podem ficar abertos desde que atividades não essenciais, já previstas no decreto, não façam o atendimento presencial ao público. A deliberação foi publicada no Diário Oficial deste sábado (4) para esclarecer dúvidas do setor”.

 

E como fica agora com o cancelamento?

Sem a permissão para as autopeças reabrirem, a regra que está em vigor no Estado de São Paulo é a mesma válida para os demais estabelecimentos comerciais considerados não essenciais: funcionar de portas fechadas, somente com serviço de entrega delivery.

O post Governo do Estado de São Paulo cancela permissão para autopeças reabrirem apareceu primeiro em Revista O Mecânico.


Governo do Estado de São Paulo cancela permissão para autopeças reabrirem Publicado primeiro em http://omecanico.com.br/feed/

IPVA SP 2020: Como Parcelar IPVA SP Atrasado e Consultar Grátis

O IPVA SP é um imposto que deve ser pago todos os anos pelos motoristas paulistas. Ele é fundamental para que os veículos sigam rodando regularmente pelas vias do estado de São Paulo. Não realizar seu pagamento gera consequências, podendo causar, até mesmo, multa de trânsito. Por isso, é fundamental estar sempre em dia com os débitos do veículo. Para ajudá-lo a saber tudo sobre o pagamento do IPVA SP, preparei este artigo com informações importantes sobre o assunto.

detran ipva em sp

Todos os anos, os motoristas paulistas têm de pagar algumas taxas referentes aos seus veículos e, dentre elas, está o IPVA SP.

Para os condutores, o primeiro semestre do ano é sempre o momento de enfrentar alguns impostos, taxas e papeladas.

Tudo isso é cobrado para renovação do licenciamento do seu veículo.

Entre as principais preocupações estão, é claro, o IPVA e o Seguro DPVAT.

Esses tributos devem ser quitados por todo motorista de veículo automotor que circula em território brasileiro.

Entretanto, algumas dúvidas cercam essas cobranças, ocasionando, muitas vezes, o não pagamento dos tributos.

O problema é que deixar essas dívidas em aberto pode acarretar penalidades ao condutor, conforme prevê a legislação brasileira.

Caso você more em SP e tenha deixado de efetuar o pagamento, não se preocupe.

Apresentarei todas as dicas de como quitar essa dívida para que, assim, você possa voltar a circular com o seu veículo de maneira regular.

Neste artigo, você vai ler sobre:

  • o que é IPVA?
  • isenção do pagamento
  • como, quando e quanto pagar pelo IPVA SP
  • consequências do não pagamento do imposto
  • o que fazer em caso de IPVA atrasado
  • seguro DPVAT
  • licenciamento de veículo

Se você se interessou pelo assunto abordado neste texto, não deixe de ler até o final.

Boa leitura!

 

O Que é IPVA?

Antes que eu informe para você o que fazer em caso de atraso do pagamento do IPVA, vou explicar, de maneira clara, o que é esse imposto.

Acredite, muitos motoristas sabem algo a respeito dessa cobrança, mas não entendem, de fato, os motivos de sua existência e as previsões da legislação.

Primeiramente, IPVA é o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores.

Com isso, todas as pessoas que têm um veículo automotor, como carro, caminhão, ônibus, micro-ônibus, entre outros, devem pagar seu IPVA anualmente.

E, no estado de São Paulo, não é diferente.

Segundo o site da fazenda do estado de SP, 20% do dinheiro arrecadado pelo imposto é repassado ao FUNDEB.

FUNDEB é a sigla para Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação.

Do restante, 50% passam a fazer parte do orçamento anual do Estado.

Essa porcentagem deve ser investida em assuntos importantes, como saúde, educação, infraestrutura e segurança pública.

Enquanto isso, a outra metade é repassada aos municípios, que vão receber valores que variam a depender dos veículos que têm registrados.

A lei estadual estipula, também, as isenções, as imunidades e as dispensas de pagamentos, como apresentarei na seção a seguir.

Isenções, Imunidades e Dispensa de Pagamento do IPVA

Portadores de deficiência física fazem parte do grupo de isenção do IPVA

Estão regulamentados, na lei e em decreto, diversos casos de situações específicas que constituem exceções do pagamento do IPVA em SP.

Conforme a legislação, os proprietários podem ser isentos, imunes ou dispensados de pagar o imposto.

Quando isento, o motorista tem o direito de receber, automaticamente, a isenção de todos os veículos que possui caso todos se encaixem no direito.

Outra possibilidade é ter que optar por uma das isenções caso tenha mais de um veículo.

Por exemplo: se você tiver 2 veículos registrados, em São Paulo, com mais de 20 anos de fabricação, ambos são isentos do pagamento do IPVA em SP.

Mas, e se você tiver 2 veículos e o direito à isenção por ser portador de deficiência física e por ser taxista, por exemplo?

Neste caso, você necessitará optar apenas por uma das isenções a ser aplicada nos veículos.

Abaixo, listarei quais veículos são isentos, para que você descubra se faz parte dos grupos isentos do IPVA:

  • taxistas e mototaxistas;
  • deficientes físicos;
  • entidades e pessoas com direito a tratamento diplomático;
  • ônibus ou micro-ônibus utilizados no transporte urbano ou metropolitano, em fretamento contínuo ou no transporte escolar.

A legislação também prevê o direito automático à isenção do pagamento do IPVA em SP, ou seja, quando não há restrição do número de veículos a serem beneficiados.

Confira:

  • veículos com mais de 20 anos de fabricação;
  • máquinas utilizadas essencialmente para fins agrícolas;
  • veículos ferroviários;
  • máquinas de terraplanagem, empilhadeiras, guindastes e demais máquinas utilizadas na construção civil ou por estabelecimentos industriais ou comerciais para monte e desmonte de cargas.

Já a imunidade é ofertada aos veículos pertencentes a entidades com garantia constitucional de não pagamento de tributos.

Confira quais grupos se encaixam nesse direito:

  • órgãos públicos dos governos federal, estadual e municipal, suas autarquias e fundações;
  • partidos políticos e suas fundações;
  • entidades sindicais dos trabalhadores;
  • instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos;
  • templos de qualquer culto.

Já os veículos dispensados do pagamento do IPVA de SP e dos demais estados abrangem casos de perda da propriedade ou da posse.

Neste caso, a dispensa é dada quando ocorre o rompimento da relação entre o proprietário e o veículo.

Portanto, os casos que recebem a dispensa do pagamento se enquadram nas seguintes situações:

  • furto ou roubo do veículo;
  • baixa permanente do veículo;
  • leilão do veículo como sucata;
  • desaparecimento ou perecimento do veículo;
  • questionamento da propriedade;
  • perdimento;
  • arresto, sequestro, penhora, apreensão judicial ou apreensão administrativa para fins de averiguação ou instrução de inquérito policial.

Se você constatou que se encaixa em algum dos casos, saiba mais sobre como proceder e tenha acesso aos formulários de solicitação no Portal da Fazenda do Estado de São Paulo.

Na próxima seção deste artigo, vou falar sobre o valor do IPVA SP.

 

Quanto Pagar no IPVA SP

O valor do IPVA varia no país e é determinado por cada estado, que estabelece uma porcentagem a ser cobrada sobre o valor venal (valor de venda) do veículo.

Além disso, o valor do tributo varia de acordo com o tipo de veículo e de combustível.

Ele também muda de acordo com o estado em que o motorista está registrado.

Com isso, cada estado pode determinar alíquotas menores para tipos específicos de veículos.

Em São Paulo, por exemplo, os proprietários de carros de passeio com motor flex recolhem 4% do valor venal do veículo.

Fazendo um comparativo, para que você entenda como o tributo pode variar, no Estado do Espírito Santo, essa alíquota é de 2%.

Ainda em relação ao IPVA em SP, para veículos movidos a álcool, Gás Natural (GNV) ou eletricidade, a alíquota recolhida é de 3%.

Quanto ao tipo de veículo, a porcentagem estabelecida pelo estado de São Paulo é uma alíquota de:

  • 1,5% para caminhões;
  • 2,0% para ônibus e micro-ônibus;
  • 2,0% para camionetes de cabine simples;
  • 2,0% para motocicletas, ciclomotores, motonetas, triciclos e quadriciclos;
  • 2,0% para ​máquinas de terraplanagem, empilhadeiras, guindastes, locomotivas, tratores etc.;
  • 3,0% para veículos movidos a álcool, gás natural veicular (GNV) ou eletricidade;
  • 4,0% para ​veículos não citados acima.

Em 2020, as alíquotas do imposto permanecem inalteradas, já que muitos condutores continuam com seus veículos antigos.

Levantamento feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) revelou que, em 2020, a tendência é a redução do valor do IPVA.

Isso porque o valor de venda dos veículos da frota paulista caiu cerca de 3,54%, resultando, assim, na redução do valor cobrado pelo IPVA SP 2020.

Na próxima seção, veja como está o calendário de pagamento do IPVA SP este ano.

 

Quando Pagar o IPVA em SP

detran sp ipva calendario
Verifique, sempre, as datas de pagamento do IPVA em SP do seu carro

Assim como o valor a ser quitado, cada estado também define seu próprio calendário de pagamento.

Em SP, o calendário de pagamento do IPVA é estabelecido e publicado, por decreto, no mês de novembro de cada ano, valendo para o ano subsequente.

Portanto, o calendário, para o ano de 2020, foi lançado em novembro de 2019.

Nesse calendário, o proprietário deve procurar o tipo e o final da placa de seu veículo.

Essas informações são determinantes para que você não perca o dia do seu pagamento.

Para proprietários de automóveis, camionetas, caminhonetes, ônibus, micro-ônibus, motos e similares usados, a notícia não é muito boa.

Isso porque a última parcela do IPVA SP venceu no mês de março.

Já quem é dono de caminhões e caminhões-tratores usados tem até 17 de abril para realizar o pagamento em cota única sem desconto.

Proprietários desse tipo de veículo que optaram por pagar o IPVA SP de forma parcelada não podem esquecer que a última parcela vence em 17 de setembro.

Como você viu, é permitido, ao condutor, pagar o IPVA SP à vista ou, também, parcelado, em até 3 vezes.

É importante ressaltar que, pagando em uma única vez, até a data do vencimento da primeira parcela, é possível contar com um desconto de 3,0%.

Para ter acesso ao calendário completo e ver as tabelas de vencimento para placas de cada veículo, acompanhe no site da Secretaria da Fazenda de SP.

A página dispõe essas informações sempre de maneira atualizada.

Caso você tenha adquirido um veículo novo, o pagamento do IPVA deve ser realizado em até 30 dias depois da emissão da nota fiscal de venda do veículo.

Se a sua intenção é realizar o pagamento com desconto de até 3,0%, você deverá realizar o pagamento até o 5º dia útil, após a data de emissão do documento fiscal.

Para esses casos, a Secretaria da Fazenda de SP também permite o parcelamento do IPVA, em até 3 vezes, como acontece com os veículos usados.

Nesse processo, independentemente do modo de pagamento, você deve estar atento aos prazos, pois o atraso gera acréscimos moratórios de 0,33% por dia de atraso.

Esses acréscimos são feitos até somar 20% da dívida. São também aplicados juros mensais de 1% ou conforme a Taxa Selic, dependendo do que for maior.

Para saber como pagar o IPVA SP de maneira correta, leia a seção a seguir.

 

Como Pagar o IPVA SP?

Há 3 formas de pagamento do IPVA:

  • à vista com desconto, até determinada data;
  • à vista sem desconto, a partir de determinada data;
  • em 3 vezes, sem desconto, seguindo o calendário.

Abaixo, apresentarei as formas de pagamento para proprietários de veículos usados e para proprietários de veículos novos.

Apresentarei também como são os procedimentos, que podem ser diferentes, dependendo de cada caso.

Proprietários de veículos usados

Esses proprietários devem, na maioria dos casos, pagar o imposto por meio do código RENAVAM do veículo.

Para isso, basta ter o código RENAVAM em mãos e procurar os bancos autorizados, seja em guichê do caixa, em caixas de autoatendimento, via internet ou em débito agendado.

Com o código RENAVAM, é possível pagar o IPVA também em casas lotéricas ou na “Rede Banco 24 horas”.

Para achar os números que compõem o Código RENAVAM de seu veículo, procure no Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV).

Há, ainda, casos específicos em que o proprietário deve utilizar o Guia de Recolhimento, que pode ser obtido pelo sistema de emissão de guias do portal da Secretaria da Fazenda.

Proprietários de veículos novos

Esses motoristas não só devem seguir o calendário como também deverão efetuar o pagamento de outra forma.

Em vez de portar o número do Código RENAVAM, deverão emitir o Guia de Recolhimento para que possam efetuar o pagamento do IPVA.

É fundamental procurar estar com o IPVA em dia, pois o não pagamento do imposto gera problemas.

Sobre isso, falo mais na próxima seção.

O Que Acontece se o IPVA Não For Pago?

Você sabe quais penalidades estão previstas ao motorista que deixa de efetuar o pagamento do IPVA?

Primeiramente, ao não pagar o IPVA, é gerado, como já apresentei para você, acréscimo moratório, mais os juros mensais.

Ou seja, a primeira consequência será um débito ainda maior com o estado e que só tende a aumentar.

Alguns dos estados, como é o caso de São Paulo, optam também por inscrever o débito em dívida ativa do estado.

Ou seja, ao não pagar o IPVA, o proprietário do veículo tem seu nome inscrito no CADIN, ficando com o nome “sujo” perante o estado.

Segundo a Secretaria da Fazenda de São Paulo, a inscrição no CADIN gera, inclusive, um aumento significativo na dívida por não pagamento do IPVA.

Neste caso, a dívida passa de 20% para 100%, além da cobrança pelas despesas judiciais e honorários advocatícios.

Mas e se você não pagar mesmo? Nem o imposto, nem o acréscimo, nem juros? O que poderá acontecer?

Além das consequências já apontadas e todas as derivadas de ter o nome inscrito no CADIN, outro grande problema será gerado.

Refiro-me ao impedimento para retirada ou renovação do licenciamento do seu veículo, que deve ser feito no segundo semestre de cada ano.

Isso porque, para estar em dia com a documentação do veículo, é necessário fazer o Licenciamento de Veículo, cujos pré-requisitos são:

  • o pagamento do IPVA;
  • o pagamento do Seguro DPVAT,
  • a quitação de possíveis multas.

E, como você bem sabe, não estar em dia com o licenciamento do carro também traz as suas consequências.

Conforme a legislação brasileira, caso você não esteja em dia com o licenciamento de seu veículo, você estará cometendo infração gravíssima.

Esse tipo de infração gera uma multa de R$ 293,47 e soma 7 pontos na sua carteira de motorista.

É o que aponta o art. 230, inciso V, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Portanto, para evitar problemas com as leis de trânsito, procure estar sempre em dia com o pagamento das dívidas do seu veículo.

Caso você tenha descoberto anteriormente que o seu prazo para pagamento do IPVA já está encerrado, não se desespere.

Na próxima seção, falarei melhor sobre o caso de atraso no pagamento do imposto.

 

Atrasei o IPVA, e Agora?

Se você está com alguma pendência no IPVA, seja alguma parcela deste ano ou de anos anteriores, e deseja regularizar a sua situação, esta seção é fundamental para a sua leitura.

A primeira atitude a ser tomada é consultar se o seu nome foi inserido no CADIN.

Para isso, acesse a página da Procuradoria Geral do estado de São Paulo e efetue a consulta.

Você precisará informar o Código RENAVAM de seu veículo e seu CPF (ou CNPJ, para o caso de pessoas jurídicas).

Caso você esteja inscrito no banco de dados, gere uma guia nessa mesma página que você consultou.

Se o seu nome não estiver inserido no CADIN, significa que você poderá quitar seu débito gerando um boleto diretamente no site da Secretaria da Fazenda e Planejamento.

Entretanto, tenha muita atenção se você estiver inscrito no CADIN.

Caso você gere e pague o boleto para quitação do IPVA na página da Secretaria da Fazenda estando inserido no CADIN, você não terá sua situação regularizada!

Essa informação é esclarecida na página oficial da Secretaria da Fazenda de SP.

Portanto, tenha muito cuidado!

Mas, se você foi inscrito indevidamente no CADIN, há ainda espaço para contestação.

Gostaria de fazer mais um alerta para você em relação aos golpes de boleto falso do IPVA.

Saiba mais sobre isso a seguir.

Não caia em golpe

ipva em sp golpe
Fique sempre atento aos golpes

Muitos proprietários de veículos já foram vítimas do golpe do boleto do IPVA.

O golpe consiste em cartas ou e-mails falsos, enviados por estelionatários que se passam pela Secretaria da Fazenda, cobrando o IPVA e dando boleto de pagamento ou link.

Ao pagar esses boletos ou e-mails falsos, na verdade, o proprietário estava, inadvertidamente, depositando dinheiro na conta de estelionatários.

Esse falso pagamento gerava, além de perda de dinheiro, o débito com o estado.

Os golpes que foram confirmados acabaram por fazer com que os estados alertassem os motoristas.

Foi indicado, então, que efetuassem o pagamento do IPVA direto nas agências credenciadas, por meio do número RENAVAM.

Inclusive, para que golpes assim sejam evitados, os proprietários registrados no estado de São Paulo deixaram de receber o aviso do vencimento do IPVA pelos Correios.

Portanto, para saber quanto está a dívida e emitir o boleto de pagamento, o proprietário deverá acessar, pela internet, o site da Fazenda.

Feito o alerta, podemos seguir com nossa discussão.

A seguir, veja um pouco sobre outro débito importante referente aos veículos: o seguro DPVAT.

Seguro DPVAT: Entenda Sua Importância

O Seguro DPVAT é um importante recurso em caso de acidente de trânsito

DPVAT é a sigla para o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres.

Ele é obrigatório e deve ser pago anualmente, por todos os proprietários de veículos automotores.

Assim como o IPVA, esse pagamento é pré-requisito para efetuar o licenciamento de seu veículo no segundo semestre do ano.

Esse seguro visa proteger motoristas, passageiros ou pedestres vítimas de acidentes de trânsito.

Por meio do DPVAT, são oferecidas coberturas para casos de morte, invalidez permanente ou despesas médicas e hospitalares.

Do total que você paga de seguro DPVAT, 45% serão destinados ao SUS (Sistema Único de Saúde).

O objetivo é custear o atendimento das vítimas de trânsito.

5% são destinados ao DENATRAN para efetuar ações de prevenção de acidentes de trânsito.

Os 50% restantes são destinados ao pagamento de seguros, sob responsabilidade da Seguradora Líder.

Apesar de representar mais um compromisso financeiro para os proprietários de veículos, o seguro DPVAT é muito importante.

Anualmente, muitas vítimas de acidentes de trânsito são indenizadas.

Para que você tenha uma ideia, em 2019, mais de 270 mil motociclistas receberam indenização do DPVAT, conforme dados divulgados pela Seguradora Líder.

Motoristas de outros veículos foram mais de 200 mil, seguidos por pedestres (mais de 100 mil) e passageiros (quase 45 mil).

Ou seja, é alto o número de cidadãos que acabam precisando das indenizações pagas pelo DPVAT em decorrência de acidentes de trânsito.

Antes de finalizar este artigo, quero falar com você sobre o já mencionado licenciamento de veículo.

Por isso, não deixe de ler a seção a seguir.

 

Procure Estar em Dia Com o Licenciamento do Veículo

Como apresentei para você, estar em dia com a documentação do carro, incluindo o licenciamento, pode poupar o motorista de muita dor de cabeça.

Para poder pagar o licenciamento, você deve estar em dia com o IPVA do veículo, com o Seguro DPVAT e com possíveis multas pendentes.

Isso porque é através do licenciamento do veículo que as autoridades podem verificar se o proprietário está em dia com suas obrigações.

Essa consulta é feita por meio do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos, o popularmente conhecido documento do carro.

Assim como acontece com o IPVA, o pagamento do licenciamento do Veículo acontece de acordo com um calendário, centralizado no segundo semestre do ano.

Para se preparar para o pagamento do licenciamento do veículo, saiba mais na página do DETRAN-SP sobre o assunto.

 

Conclusão

Informe-se sobre o pagamento do licenciamento do seu veículo

Estar em dia com a documentação do carro pode ser trabalhoso, mas poupa o motorista de muita dor de cabeça.

Com um pouco de organização e seguindo as dicas dadas neste artigo, será uma tarefa fácil e rápida de resolver.

Neste artigo apresentei, para você a importância de estar em dia com o pagamento do IPVA SP.

Você também ficou sabendo que alguns proprietários de veículos, de acordo com a legislação, poderão estar isentos do pagamento do imposto.

Procurei explicar quanto, como e quando fazer o pagamento do imposto, e, também, as consequências de não fazer o pagamento.

Agora, você também sabe como regularizar a situação de IPVA atrasado, e viu alguns detalhes importantes sobre o seguro DPVAT e o licenciamento veicular.

Se você ficou com alguma dúvida, escreva um comentário abaixo, para que eu possa ajudá-lo a resolver o seu questionamento.

E se este artigo foi esclarecedor para você, compartilhe-o, para que mais pessoas entendam o funcionamento do IPVA SP.

Referências:

https://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/ipva-2020-sera-354-mais-barato-em-media-para-proprietarios-paulistas/

https://portal.fazenda.sp.gov.br/servicos/ipva/Paginas/mi-vencimento.aspx

https://portal.fazenda.sp.gov.br/servicos/ipva/Paginas/mi-inscricao-em-divida-ativa.aspx

https://estradas.com.br/seguradora-lider-divulga-numeros-do-seguro-dpvat-em-2019/

 

O post IPVA SP 2020: Como Parcelar IPVA SP Atrasado e Consultar Grátis apareceu primeiro em Doutor Multas.


IPVA SP 2020: Como Parcelar IPVA SP Atrasado e Consultar Grátis Publicado primeiro em https://doutormultas.com.br

Takao lança peças para reposição para modelos VW, Renault, Chevrolet, Hyundai a Kia

Takao bronzinas

Novidades incluem peças para seis marcas e 14 modelos, incluindo anéis, bronzinas, comandos de válvulas e pistões

 

A Takao lança para o mercado de reposição bronzinas para o motor 1.0 Turbo de 3 cilindros da Volkswagen, além de anéis para motor 1.0 da Renault, comandos de válvulas para modelos Chevrolet (1.4 e 1.8) e pistões para Hyundai/Kia 1.8/2.0 e Jeep 2.0.

As novidades se destinam aos seguintes modelos:

Anéis
Motor Renault 1.0 3-cil.
Modelos: Logan, Kwid, Sandero / 2016 a 2019

Bronzinas
Motor: VW 1.0 3-cil.
Modelos: Golf, Polo, T-Cross, Virtus / 2016 a 2020

Comando de Válvulas
Motor: Chevrolet 1.4/1.8L SPE
Modelos: Onix, Novo Prisma, Spin / 2013 a 2020

Pistões
Motor: Hyundai/ Kia 1.8/2.0L
Modelos: i30, Elantra, Optima / 2011 a 2018

Motor: Jeep 2.0L
Modelos: Compass Flex / 2016 a 2019

O post Takao lança peças para reposição para modelos VW, Renault, Chevrolet, Hyundai a Kia apareceu primeiro em Revista O Mecânico.


Takao lança peças para reposição para modelos VW, Renault, Chevrolet, Hyundai a Kia Publicado primeiro em http://omecanico.com.br/feed/

Aplicativo ajuda caminhoneiros a encontrarem peças e oficinas

aplicativo caminhoneiros

App traz atualizações de postos que estão operando normalmente e permite aos usuários compartilhar informações de ações e doações para os caminhoneiros

 

Com grande parte do comércio fechado em todo o Brasil devido à pandemia do coronavírus, o aplicativo S.O.S. Truck ajuda os caminhoneiros a encontrarem peças, oficinas mecânicas, borracharias, auto elétricos e postos de abastecimento em operação. Por meio do app, os motoristas recebem atualizações constantes de postos que estão operando normalmente e, clicando sobre o nome do posto, conseguem saber quais serviços estão disponíveis.

O sistema funciona por geolocalização e permite que os motoristas possam fazer cotações a partir dos dados dos seus modelos e marcas de caminhões cadastrados no sistema. O aplicativo  pode ser baixado gratuitamente nas lojas virtuais do Google e da Apple.

Agora, os usuários também podem enviar pelo app mensagem de whatsapp para os consultores da S.O.S Truck para pedir informações sobre a Covid-19 que conta com o suporte voluntário de estudantes de medicina. Há ainda um canal de comunicação colaborativa para que motoristas cadastrados possam compartilhar informações como pontos onde estão acontecendo ações e doações para os profissionais da estrada, além de informar os melhores pontos de parada nos trajetos. Todas as informações são rapidamente checadas antes de serem disponibilizadas aos usuários.

O post Aplicativo ajuda caminhoneiros a encontrarem peças e oficinas apareceu primeiro em Revista O Mecânico.


Aplicativo ajuda caminhoneiros a encontrarem peças e oficinas Publicado primeiro em http://omecanico.com.br/feed/

Dayco investe em nova fábrica em Indaiatuba/SP

Dayco fábrica Indaiatuba

Nova sede localizada no interior de São Paulo tem 12.000 m² e unificará os departamentos para elevar a capacidade de produção e distribuição

 

A Dayco anuncia a instalação de uma nova fábrica na América do Sul, localizada em Indaiatuba/SP. Segundo a empresa, o espaço visa melhorar “ainda mais as capacidades de distribuição, produção e tecnologia, além de apoiar o rápido crescimento dos negócios da empresa na região”.

A nova sede conta com 12.000 metros quadrados e unificará os departamentos produtivos, logística, engenharia e corporativos em um único local. A Dayco ressalta que vem passando por um crescimento constante em sua produção e vendas há anos, por isso, acredita que a nova planta oferecerá uma oportunidade ainda maior para impulsionar seus negócios.

“Essa nova planta no Brasil ajudará nosso crescimento contínuo na região e garantirá um fornecimento ainda melhor a nossos clientes e, o suporte que eles também precisam para crescerem conosco. Isso nos permitirá trabalhar de maneira ainda mais eficiente e otimizada, aplicando nossas melhores práticas globais e adaptando-nos às necessidades de cada cliente e região”, afirmou Bruno Vallillo, presidente de reposição da Dayco.

Joel Wiegert, CEO da companhia, acrescentou: “Esta instalação de última geração, que adota princípios de fábrica inteligentes, fortalece nossa posição e nos fornece uma área de cobertura ampliada para apoiar nossos clientes de reposição e OEM na América do Sul. Também estamos entusiasmados por poder reunir as equipes de nossas anteriores três localidades brasileiras em uma única planta, o que aumentará a eficiência da empresa, a fim de atender às necessidades do mercado na região.”

O post Dayco investe em nova fábrica em Indaiatuba/SP apareceu primeiro em Revista O Mecânico.


Dayco investe em nova fábrica em Indaiatuba/SP Publicado primeiro em http://omecanico.com.br/feed/

domingo, 5 de abril de 2020

Descubra o que faz um engenheiro de software

Conheça um pouco sobre a profissão de engenheiro de software e veja porque essa carreira está chamando a atenção de muitas pessoas interessadas em tecnologia.

A área de Engenharia de Software tem chamado muita atenção dos estudantes interessados na área de tecnologia, principalmente pelo fato de ser uma área que vem ganhando muito destaque no mercado de trabalho nos últimos anos.

Mas afinal, será que você sabe o que faz um formado nesse curso? Então continue lendo e descubra a rotina desse profissional e veja se esse é o curso ideal para você.

O que faz o engenheiro de software?

Com cada vez mais empresas automatizando seus serviços e criando suas próprias plataformas digitais, a profissão de engenheiro de software foi considerada a 2ª melhor da área de TI em crescimento e remuneração.

O software consiste na “parte lógica” do computador, que inclui sistema operacional e programas. Então, basicamente, esses profissionais projetam e guiam o desenvolvimento de programas, aplicativos e sistemas, de forma que atendam aos requisitos e cumpram as funções determinadas.

Estão entre as principais atribuições do engenheiro de software:

  • Desenvolver softwares e apps
  • Gerenciar projetos ligados aos softwares
  • Arquitetar o design estrutural dos programas
  • Realizar testes nos sistemas 

Além dessas, esses engenheiros podem ter funções ligadas à administração de bancos de dados, manutenção dos sistemas e até mesmo tarefas relacionadas à gestão de projetos e à composição de manuais de instruções.

Mercado de trabalho

O Brasil é o oitavo país no ranking mundial de desenvolvedores, fabricantes e distribuidores de softwares, movimentando cerca de 27 bilhões de dólares apenas com o mercado interno. Esse cenário mantém o setor aquecido para os engenheiros. 

O uso massivo de celulares e tablets pela população brasileira também eleva a busca por profissionais aptos a lidar com esses sistemas.

Nesse caso, o engenheiro de software é contratado para desenvolver jogos e outros aplicativos, que se tornaram uma ferramenta importante de negócio. 

Há algum tempo, as empresas passaram a utilizar os aplicativos para oferecer serviços aos consumidores e, assim, elevar suas vendas.

Onde o engenheiro de software pode atuar?

O principal mercado para o profissional são os polos de tecnologia da região Sudeste, além do Porto Digital, em Recife (PE). A demanda internacional por esse engenheiro também é grande. Nesse caso, ele precisa ter bom domínio do inglês.

As áreas onde um engenheiro de software pode atuar costumam ser as seguintes:

  • Desenvolvimento de softwares e aplicativos
  • Gerenciamento de projetos
  • Definição da arquitetura de produtos
  • Realização de testes funcionais 

Graças a essa alta demanda de tarefas, estima-se que a média salarial do engenheiro de software no Brasil seja de R$ 6.303.

Sobre o curso

Há cerca de 50 instituições no país credenciadas pelo MEC que oferecem a graduação em Engenharia de Software.

Alguns dos cursos mais bem avaliados estão em universidades públicas. Veja:

  • Universidade de Brasília (UNB)
  • Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
  • Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Grande parte das graduações nessa área costuma durar até 5 anos e os cursos também podem ser encontrados na modalidade EAD.

Quanto às disciplinas lecionadas, as grades curriculares apresentam algumas variações de acordo com a faculdade. Mas, de modo geral, as principais matérias do curso de Engenharia de Software são:

  • Arquitetura de Software
  • Cálculo Diferencial e Integral
  • Desenvolvimento de Sistemas para Dispositivos Móveis
  • Design e Interação
  • Engenharia de Linguagens
  • Estrutura de Dados
  • Fundamentos e Arquitetura dos Computadores
  • Gerenciamento de Software
  • Introdução às Técnicas de Programação
  • Linguagem de Programação
  • Lógica Aplicada à Engenharia de Software
  • Manutenção de Software
  • Planejamento e Gerenciamento de Projetos
  • Práticas de Programação
  • Redes de Computadores
  • Resolução de Problemas Matemáticos para TI
  • Segurança e Auditoria de Sistemas
  • Tecnologia da Informação e Sociedade
  • Vetores e Geometria Analítica

Nos últimos semestres, o curso inclui também os estágios supervisionados e o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC).

Engenharia de Software e Engenharia da Computação são a mesma coisa?

Embora possam ter um certo nível de semelhança, é fundamental destacar que eles não são o mesmo curso.

O Engenheiro de Software possui um foco muito maior na área da programação. Ele domina as técnicas para trabalhar em todas as fases do desenvolvimento de sistemas muito complexos e aplicativos diversos.

Em outras palavras, ele aprende a desenvolver software de ponta a ponta, incluindo questões avançadas, como arquitetura de software, inteligência artificial, engenharia disciplinada, softwares escaláveis e gerência de mudanças.

Já o Engenheiro da Computação costuma ter um envolvimento mais forte com a parte de hardwares, que inclui a área de matemática, com cálculo e álgebra, circuitos elétricos e eletrônicos, física, construção de microprocessadores, processamento de sinais e sistemas robóticos. 

Onde estudar

Como dissemos anteriormente, ainda existem poucas opções de instituições que oferecem a formação de Engenharia de Software.

Mas, se você não conseguir sua vaga nesse curso específico, não precisa se preocupar! Você ainda pode começar a atuar nessa área. No campo da Engenharia, há também o curso de Engenharia da Computação.

A diferença básica é que o engenheiro da computação está mais focado no trabalho com o hardware, projetando e construindo computadores e sistemas periféricos. O mercado de trabalho é igualmente amplo.

Nesses casos, o ideal é caprichar na hora de escolher uma boa faculdade. Para ajudá-lo, listamos algumas ótimas instituições para estudar.

Além de contar com diversos benefícios financeiros (como usar sua pontuação do Enem para conseguir descontos nas mensalidades), elas também são bem avaliadas pelo próprio Ministério da Educação. 

Isso significa que a qualidade do ensino é assegurada por um órgão federal e que seu diploma terá validade em todo o território nacional.

Confira:

Agora você já pode dar o próximo passo na sua formação acadêmica e profissional e começar a estudar para atuar na área de tecnologia.

Veja também:

Curso de Engenharia Mecatrônica 

8 cursos para quem gosta de tecnologia

O que achou da profissão de engenheiro de software? Compartilhe conosco nos comentários.

Compartilhar

Descubra o que faz um engenheiro de software Publicado primeiro em https://www.guiadacarreira.com.br/

Descubra quanto ganha um engenheiro de materiais

Confira agora quanto ganha um engenheiro de materiais e veja onde estudar!

Este ramo da Engenharia é muito importante, pois esta área é responsável por criar novos materiais, por meio de combinações e ligas, que são processos químicos de conhecimento desses profissionais. 

As empresas que mais possuem necessidades de engenheiros de materiais são as que trabalham com cerâmica, metal e polímeros, porém este profissional pode atuar em outras áreas, como Educação. 

Veja agora quanto ganha um engenheiro de materiais e saiba como se tornar um!

Quanto ganha um engenheiro de materiais

O valor que um engenheiro de materiais recebe mensalmente vai depender muito do porte da empresa, região do país, nível de experiência e formação. 

Veja quanto este profissional deve receber, segundo o site Salario.com, de acordo com o porte da empresa. Confira:

Micro

  • Júnior – R$ 6.279,50
  • Pleno – R$ 8.109,00
  • Sênior – R$ 9.010,96

Pequenas

  • Júnior – R$ 6.753,78
  • Pleno – R$ 7.099,78
  • Sênior – R$ 9.399,75

Médias

  • Júnior – R$ 7.709,69
  • Pleno – R$ 8.280,00
  • Sênior – R$ 11.727,50

Grandes empresas

  • Júnior – R$ 9.059,57
  • Pleno – R$ 9.523,69
  • Sênior – R$ 11.027,54

Acrescido desses valores, o engenheiro de materiais recebe benefícios como vale-transporte, vale-alimentação, assistência médica e odontológica, além de bonificação por meta alcançada. 

Mercado de trabalho para engenheiro de materiais

O mercado de trabalho para o profissional desta área está em altíssima demanda. Em 2019, por exemplo, a quantidade de contratações com carteira assinada para esta área aumentou cerca de 50%. 

 São Paulo e Rio de Janeiro são os estados que mais contratam para este cargo, ficando na frente de Minas Gerais e Paraná, que também realizam uma boa quantidade de admissões. 

As empresas que mais contratam o engenheiro de materiais são dos seguintes segmentos:

  • Serviço de engenharia
  • Fabricação de produtos de refino de petróleo
  • Construção de embarcação de grande porte
  • Produção de forjados de aço
  • Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores
  • Fabricação de produtos cerâmicos refratários
  • Fabricação de motores e turbinas, peças e acessórios, exceto para aviões e veículos rodoviários
  • Fabricação de embalagens de material plástico
  • Fabricação de fios, cabos e condutores elétricos isolados
  • Produção de laminados longos de aço

Como se tornar um engenheiro de materiais

Para se tornar um engenheiro de materiais, é imprescindível que o profissional tenha nível superior na área. Esta graduação tem a duração de 5 anos, no formato de bacharelado, e pode ser realizada na modalidade presencial. 

Durante o curso, o estudante verá disciplinas relacionadas a Cálculo, Introdução à programação, Álgebra linear, Geometria analítica, Física, Química, Estrutura de materiais etc.

Para exercer esta profissão, além da graduação, deve-se obter um registro junto ao Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA) do estado onde serão exercidas as atividades.

Onde estudar para se tornar um engenheiro de materiais

Por ser um curso novo, não são muitas instituições que oferecem essa graduação e a grande maioria das que possuem é de universidades públicas, que têm uma forma de seleção mais criteriosa e concorrida, o que dificulta um pouco o acesso. 

Veja a lista de algumas faculdades que possuem o curso de Engenharia de materiais:

Existem outros cursos de Engenharia que te dão a possibilidade de atuar em grandes empresas e receber salários altos, como:

Todas essas graduações já são oferecidas há um tempo, por isso já existem mais opções de instituições. Além disso, essas faculdades possuem mensalidades mais baixas e algumas podem ser feitas até na modalidade semipresencial, o que facilita ainda mais o seu dia a dia e possibilita conciliar os estudos com o trabalho. 

Veja algumas faculdades, reconhecidas pelo MEC, que dispõem de diversos cursos de Engenharia, em todas as modalidades, e ainda possuem programas de bolsas e financiamentos, sem burocracia e limite de vagas, para quem deseja realizar uma dessas graduações:

Veja mais:

Ache uma graduação que combina com você

Descubra quais são os melhores cursos de Engenharia EAD

Já escolheu o seu curso? Conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar

Descubra quanto ganha um engenheiro de materiais Publicado primeiro em https://www.guiadacarreira.com.br/